A- A A+

   

A primeira etapa é colocar-se na situação atual da empresa e medir suas forças para saber se está pronta para enfrentar os “tubarões do mercado internacional”.

Avaliação da Capacidade Exportadora

1) Por que exportar?

O empresário está analisando uma situação conjuntural, como crise no mercado interno, incentivos para exportação, câmbio de moeda favorável, solicitação de importadores, aproveitamento da capacidade ociosa, imitação de empresas similares, ou a exportação é parte de uma estratégia de desenvolvimento e diversificação da empresa?

Se depender da situação conjuntural, deve pensar bem, a conjuntura poderia mudar e, se não foi criada uma estrutura adequada, a exportação seria somente uma aventura.

2) É o empresário que quer exportar ou é toda a empresa com os responsáveis de cada área que estão conscientes da importância da exportação?

Deve ser lembrado que a exportação é um jogo de equipe (e em uma equipe não é suficiente um atacante sensacional, se ninguém lhe passa a bola). A maioria das barreiras para exportar está na própria empresa: é necessário que todos pensem de maneira internacional, da recepcionista ao diretor-presidente.

3) Já estão claras as barreiras a serem enfrentadas? Há uma estratégia para superá-las?

Normas, impostos, burocracia, idioma, competidores etc. São algumas das barreiras.

4) Há na empresa algum executivo com experiência ou vivência internacional para tomar a seu cargo o projeto ou o empresário vai confiar na boa estrela que o acompanhou até agora? A estrela pode não funcionar mais, pois a galáxia do mercado internacional está extremamente cheia de meteoritos que poderiam chocar-se com ela.

Se o empresário não pode contar com nenhum especialista na sua empresa, deve pensar em alguém externo que poderia assessorá-lo no começo da caminhada rumo ao mercado exterior. Alguém que lhe segure a mão até que possa caminhar sozinho.

5) A capacidade de produção é suficientemente elástica para cobrir o mercado interno e externo, ou quando começarem a chegar os pedidos vai haver atraso em tudo, por não ter capacidade instalada suficiente?

Isso acontece muito quando se inicia a exportação, pelo fato de o mercado interno estar em crise. São assumidos compromissos com o exterior, porém quando a crise acaba e voltam os antigos clientes, começam os problemas com a empresa.

6) Há disposição para se efetuarem mudanças no produto para satisfazer as exigências do mercado externo? Talvez mudar a matéria-prima, os componentes, a marca, o projeto, o empacotamento etc. Há disposição para isso?

7) O país tem vantagens comparativas no setor de atuação da empresa?

Quer dizer, existem condições para que o país de exportação seja naturalmente mais competitivo do que outros. Exemplo: a Alemanha é naturalmente competitiva em mecânica, o Japão em eletrônica, a Itália em produtos de moda etc. Se o país não tem vantagens comparativas, será muito mais difícil exportar. [1]